quarta-feira, 21 de março de 2012

Mantra Gospel


Os chamados "mantras gospel" são apenas uma das muitas distorções presentes na música cristã contemporânea.

"E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos" (Mateus 6:7).



     E eu gostaria de destacar algo que tem incomodado a muitos daqueles que, assim como eu, primam pela música cristã de qualidade: os famigerados "mantras gospel". Trata-se de um assunto polêmico do qual não podemos continuar fugindo.

          É óbvio que aqueles que começaram a investir no exagero de repetições de versos, grupos de versos e até estrofes inteiras nos cânticos de linha pentecostal ou neopentecostal não foram os criadores desse termo, mas sim os críticos musicais cristãos e os apologetas em geral. Até porque, conforme consta na entrada http://pt.wikipedia.org/wiki/Mantra da Wikipédia, o mantra, que em sânscrito significa literalmente "alavanca da mente", tem origem no hinduísmo mas também é usado no budismo e no jainismo. Consta de palavras ou versos repetidos à exaustão por seus praticantes até levá-los a um estado de êxtase ou desligamento do ambiente. Conforme bem disse o blogueiro Renato Vargens em seu artigo "Mantras Gospel":


Na maioria das igrejas evangélicas tupiniquins o tempo destinado a música é muito mais valorizado do que a pregação da Palavra de Deus. Para piorar a situação as canções ministradas afrontam diretamente as Sagradas Escrituras, até porque, suas letras e conteúdo são ensimesmadas, antropocêntricas e erotizadas.

Uma nova mania tem sido disseminada entre os evangélicos, que é o que denomino de Mantra Gospel. Mantras são poemas religiosos que originaram do hinduísmo, porém também são utilizados também no budismo. Os mantras são entoados como orações repetidas, contudo, não constituem propriamente um diálogo com Deus. Os hinduístas Acreditam que os mantras, por sua repetição, possuem uma energia sonora que movimenta outras energias que envolvem quem o entoa. O mantra gospel seria a repetição, em canções, de algumas frases durante 15, 20 ou 30 minutos.

          George Harrisson, ex-integrante da banda britânica de rock The Beatles, foi bem astuto ao usar essa técnica no cântico "My sweet Lord" ("Meu doce Senhor"). Muitos no meio cristão até hoje entoam esse cântico como se fosse uma oração a Deus, até por causa da repetição da palavra "Halleluyah" ("Aleluia") pelo vocal de apoio. Porém, no final do cântico, o "Halleluyah" dá lugar ao mantra "Hare Krishna, Hare Krishna, Krishna Krishna, Hare Hare, Hare Rama, Hare Rama, Rama Rama, Hare Hare"... Tal expressão, que de tão repetitiva é até difícil de ler, teria como significado, segundo o líder religioso indiano Bhaktivedanta Swami Prabhupada: "Ó Senhor Todo-Atrativo e fonte de todo o prazer, ó energia do Senhor, por favor, ocupai-me no vosso serviço". 

Percebem aí a terrível semelhança com muitos dos cânticos que hoje são entoados em nossas igrejas?

          Longe de ser um especialista no assunto, eu gostaria de dar-lhes alguns exemplos da disseminação dessa técnica de origem pagã no meio cristão, inclusive comparando alguns cânticos evangélicos com outros seculares que também usam a repetição excessiva para impactar o ouvinte.

                Repetição ainda mais exagerada e exaustiva pode ser ouvida no cântico "Quero te ouvir", gravado pelo grupo "Asas da adoração":

          Outra repetição exaustiva, desta vez no cântico "Grande é o Senhor", do irlandês (do Norte) David Quinlan:


          Agora compare os dois cânticos anteriores com um dos cânticos mais conhecidos da new age music, nada mais nada menos que "Orinoco flow", da irlandesa (só que da República da Irlanda) Enya:


          O que a Bíblia diz sobre isso? No caso dos chamados "mantras gospel", tratam-se de cânticos onde se utiliza uma técnica pagã para que o "adorador" entre num estado de êxtase tão grande a ponto do mesmo não conseguir mais controlar nem mesmo a si próprio, quanto mais aqueles - geralmente em grande número - ao redor dele. E isso contraria drasticamente com os ensinamentos bíblicos:  

"Pois Deus é o Rei de toda a terra, cantai louvores com inteligência" (Salmo 47:7); "Que farei, pois? Orarei com o espírito, mas também orarei com o entendimento; cantarei com o espírito, mas também cantarei com o entendimento" (I Coríntios 14:15).

          "E por que não dizemos (como somos blasfemados, e como alguns dizem que dizemos): Façamos males, para que venham bens? A condenação desses é justa" (Romanos 3:8); "Não vos prendais a um jugo desigual com os infiéis; porque, que sociedade tem a justiça com a injustiça? E que comunhão tem a luz com as trevas?" (II Coríntios 6:14). 

 
Apesar dos liberais insistirem em afirmar que a Graça de Deus é tão ampla que abrange até mesmo o uso de recursos de origem anticristã para a obra do Senhor, a Palavra contraria isso frontalmente: "Não podeis beber o cálice do Senhor e o cálice dos demônios; não podeis ser participantes da mesa do Senhor e da mesa dos demônios" (I Coríntios 10:21).


          O que acontece, portanto, é um sincretismo da pior espécie e que tem sido praticado à exaustão no meio cristão sem que a maioria perceba isso. E como a maioria repete "mantras gospel" sem perceber a armadilha onde está se metendo, seria exagerado afirmar que todos aqueles que praticam isso sem terem discernimento de sua origem maligna estão adorando convictamente ao diabo ou a si mesmos em vez de adorarem ao único Deus verdadeiro. 


Contudo, o apóstolo Paulo, ao anunciar o Evangelho aos atenienses, foi bem taxativo: "Mas Deus, não tendo em conta os tempos da ignorância, anuncia agora a todos os homens, e em todo o lugar, que se arrependam" (Atos 17:30). Ele também foi bem claro em sua exortação aos cristãos da Galácia: "Maravilho-me de que tão depressa passásseis daquele que vos chamou à graça de Cristo para outro evangelho; o qual não é outro, mas há alguns que vos inquietam e querem transtornar o evangelho de Cristo. Mas, ainda que nós mesmos ou um anjo do céu vos anuncie outro evangelho além do que já vos tenho anunciado, seja anátema. Assim, como já vo-lo dissemos, agora de novo também vo-lo digo. Se alguém vos anunciar outro evangelho além do que já recebestes, seja anátema. Porque, persuado eu agora a homens ou a Deus? ou procuro agradar a homens? Se estivesse ainda agradando aos homens, não seria servo de Cristo" (Gálatas 1:6-10).

          O que fazer, então? Como existem muitos - e ponha muitos nisso - cânticos que usam técnicas de repetição exaustiva e outras com origem no hinduísmo e até no ocultismo, cabe às lideranças eclesiásticas sérias e realmente comprometidas com a integridade do Evangelho orientarem suas ovelhas para que tais cânticos sejam banidos de nossas igrejas. Feito isso, certamente boa parte do cancioneiro cristão seria renovado, substituído por novos cânticos sem os vícios de origem duvidosa, ou recuperado, no caso daqueles hinos e cânticos que muitas comunidades relegaram ao esquecimento, isso quando o destino dos mesmos não foi a própria lata do lixo.

          Que tal mudança ocorra sob a orientação do Espírito Santo para que a qualidade de nossos cânticos, tanto em suas músicas como em suas respectivas letras, melhore mais e mais em vez de descer ladeira abaixo como naqueles cânticos "da moda" que têm tomado de assalto a comunidade evangélica nacional e internacional. "E pôs um novo cântico na minha boca, um hino ao nosso Deus; muitos o verão, e temerão, e confiarão no SENHOR" (Salmo 40:3).

Adaptação: William de Souza veja na integra no blog  Paulo Martins 



10 comentários:

  1. DEUS criou tudo, o diabo só copia, inclusive danças que eram dançadas no Céu antes da queda, o diabo não inventou nada.

    ResponderExcluir
  2. Verdade dança no céu não lembro, mas em varias vezes o povo de Deus louvou com danças, não sejão crueis em seus questionamentos!

    ResponderExcluir
  3. Verdade dança no céu não lembro, mas em varias vezes o povo de Deus louvou com danças, não sejão crueis em seus questionamentos!

    ResponderExcluir
  4. essa questão de repetição é balela! a onde se justifica na biblia que musica com estrofes ou partes repetidas nao são de deus! :
    "E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos" (Mateus 6:7). ???? veja mateus 6:6 ....
    veja o contexto por favor ... ele fala de oração com deus. nao de musica. a onde diz repetição de versos musicais? nao pois inventem histórias e interpretem a bíblia com sabedoria. e os outros versos extraídos da bíblia que estão na matéria o que tem a ver com musica?

    ResponderExcluir
  5. essa questão de repetição é balela! a onde se justifica na biblia que musica com estrofes ou partes repetidas nao são de deus! :
    "E, orando, não useis de vãs repetições, como os gentios, que pensam que por muito falarem serão ouvidos" (Mateus 6:7). ???? veja mateus 6:6 ....
    veja o contexto por favor ... ele fala de oração com deus. nao de musica. a onde diz repetição de versos musicais? nao pois inventem histórias e interpretem a bíblia com sabedoria. e os outros versos extraídos da bíblia que estão na matéria o que tem a ver com musica?

    ResponderExcluir
  6. O problema muitas vezes é que a nova geração que esta chegando na igreja evangélica vem procurando ser impactada com algo novo, e este algo novo chama-se Espirito Santo de Deus, vida com Deus ou simplesmente diferenciais que influenciem suas vidas levando-os a Deus. Mas percebem que são na verdade influenciadores para vários( ou maioria); dos evangélicos que se dizendo filhos de Deus, mas com olhares maravilhados no mundo com suas cores, ritmos e sons. Esses recém chegados percebem que são louvados porque foi "Deus" que o enviou. Tem muita gente na igreja evangélica que esta vivendo: o tudo é normal. Jesus Disse em João 17:16 e 17 em sua oração: Pai aqueles que me deste não são do mundo, como também eu não sou. Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade.
    Ao invés da verdade de Deus influenciar o mundano, a verdade do mundano esta influenciando muitos evangélicos. Concordo com a frase o diabo não criou nada ele é imitador de Deus. Mas o homem criou o revólver, os tanques de guerras, e no início de tudo o homem criou o homicídio qdo Caim matou Abel. Quero concluir dizendo que Deus é o maior Criador de tudo o que é bom e satanás seu maior imitador, e o homem é o maior criador de tudo o que não presta e satanás o seu maior aproveitador. Prá bons evangélicos muitos são péssimos cristãos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eita...Prá mim o cidadão anônimo disse tudo, eu concordo depois que li o comentário dele o meu fica igual aos outros ou pior sei lá. Na verdade o que ele escreveu me edificou.

      Excluir

Comenta! Elogia! Critica! É tudo para o Reino!

Considere apenas:
(1) Discordar não é problema. É solução, pois redunda em aprendizado! Contudo, com modos.

(2) A única coisa que eu não aceito é vir com a teologia do “não toque no ungido”, que isto é conversa para vendilhão dormir... Faça como os irmãos de Beréia e vá ver se o que lhe foi dito está na Palavra Deus!
(3)NÃO nos obrigamos a publicar comentários ANÔNIMOS.
(5) NÃO publicamos PALAVRÕES.

“Mais importante que ser evangélico é ser bíblico” - George Knight .

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...